As aventuras de Pi- 47º filme do ano

26 dez

 

Image

As aventuras de Pi é um filme fácil de se definir com uma só palavra- fantástico!

Garanto que qualquer um que deixar de assistir a jornada do indiano Piscine (famoso por seu apelido Pi), vai perder um dos grandes filmes do ano. E este filme não é só visualmente lindo, mas o roteiro é incrível também.

E, arrisco mais, o mais importante são as diferentes formas de interpretação que o filme nos traz.  Taí, esse é o tipo de filme que deveriam fazer mais – um filme que tem uma história excelente, uma fotografia magnifica,  te faz pensar e, de quebra, que usa o 3D a seu favor ( e não somente como forma de cobrar mais caro pelo ingresso).

Eu simplesmente adorei! Acho que em 2012 vi filmes bem melhores que em 2013 e esse com certeza está no topo da lista. 

 

 

10 filmes para ver antes do fim do mundo

14 dez

Estava eu navegando na internet, quando me deparo com um artigo interessante no Uol. Eles se propuseram a fazer uma lista dos 10 filmes que devem ser vistos antes do fim do mundo e, como o final apocalíptico se aproxima (ou não), achei que seria interessante fazer minha própria lista. E ( por que não?) coloca-la em prática até o fatídico 21 de dezembro de 2012?

Bom, vamos a ela então:

Forrest Gump O contador de histórias- preciso mesmo explicar porque devemos todos assistir a Forrest Gump antes do fim? Garanto que o apocalipse será bem mais poético e divertido se acompanhado de Forrest

O rei leão- talvez seja o melhor desenho animado da Disney, com certeza é um dos que eu mais amo. Fora que marcou uma das primeiras vezes que fui ao cinema, lembro-me das filas quilométricas, de toda a febre ao redor da jornada de Simba e, principalmente, de todas as lágrimas que derramei ( e derramo) com uma história tão bonita.

11 homens e 1 segredo-  por que não? É bom, é interessante, é engraçado, é inteligente e é cheio de homem bonito. Acho justo.

Bastardos Inglórios- simplesmente porque é um dos melhores filmes dos últimos anos e deveria ser eternizado mesmo depois do fim do mundo.

Os embalos de sábado à noite- esse filme é muito mais interessante do que a maioria das pessoas pensa que é (todo mundo acha que é só um filme do Travolta novinho dançando). Tenho certeza que representou muito pra uma época que, com certeza, era melhor que a nossa atual. A trilha sonora também é fantástica, o figurino então, nem se fala. Se nada disso ainda te convenceu, bom….é um filme do Travolta novinho botando pra quebrar na pista de dança. Precisa de mais alguma coisa?

O máscara – pra mim, a melhor comédia do Jim Carrey. Fora que ele está mega gatinho nesse filme . Amo. Quero passar pelo apocalipse com a imagem do Jim dessa época.

Jumanji- porque significou muito pra minha infância e é um dos melhores do Robin Williams. 

Pequena Miss Sunshine-  pra dança da Olive ficar eternizada na sua memória antes da passagem!

Amor a toda prova- um dos filmes que mais gostei de ver em toda a minha vida. E tem Steve Carell. E Ryan Gosling. Já basta.

Procura-se um amigo para o fim do mundo – um dos mais tristes que já vi, um dos melhores do Carell e perfeito para assistir no dia 21 de dezembro. Nem preciso dizer o motivo né?

E vocês? Quais seriam os 10 filmes que vcs assistiriam antes do fim?

Ah! Pra quem ficou curioso , aqui está a lista do Uol

http://glamurama.uol.com.br/os-dez-filmes-para-voce-ver-ou-rever-antes-do-fim-do-mundo/#9

Procura-se um amigo para o fim do mundo 33º filme do ano

11 set

Que baita experiência foi assistir a Procura-se um amigo para o fim do mundo- parte dessa experiência singular,devo admitir, deve-se ao fato de que fui ao cinema crente que assistiria a um filme de comédia.

Que baita erro de principiante! Justo eu que amo tanto Steve Carell, me deixei levar pelo esteriótipo de que ele só sabe fazer comédias e me esqueci completamente do quão fantástico ele é fazendo drama. E foi realmente fantástico.

Eu não gosto de contar as histórias dos filmes aqui no blog, gosto mesmo é de dar minha opinião. Acho que a gente reduz  muito o filme quando tenta resumir a história de um filme em poucas linhas.  E, acredite, a melhor coisa foi eu ter ido ao cinema às cegas- sem saber direito o que me esperava, a não ser que Steve e Keyra (ou Dodge e Penny) enfrentariam o fim do mundo.

É uma grande pena que o filme já tenha praticamente saído de cartaz aqui em SP (aposto que poucos tenham entendido sua profundidade). Eu gostaria muito de assisti-lo no cinema mais uma vez, porque tenho certeza que minha TV não fará o mesmo impacto que aquela tela gigante fez na cena final.

Esse é um filme que tudo é importante- os atores, a história, as músicas e as questões que propõe. E eu ainda nao consegui parar de pensar nelas: se o mundo acabar, o que você quer levar com você? Quem você quer estar junto? E, acima de tudo, o que você vai fazer nos últimos dias de sua vida?

É isso aí.

E Steve Carell para o Oscar 2013 POR FAVOR!

10 motivos pra você gostar do Steve Carell

4 abr

ImageÉ engraçado que até pouco tempo atrás eu nunca tinha prestado muita atenção no Steve Carell. É claro que eu já sabia quem ele era há muito tempo e sempre simpatizei com ele, mas de uma hora pra outra acabei me apegando a ele de tal forma que tudo que quero assistir tem que ter ele envolvido. 

No entanto, não consigo achar quase ninguém que compartilhe do meu pobre sentimento e, surpreendentemente, as pessoas tendem a não gostar de Steve. Enfim, ao invés de sair chutando a cabeça de todo mundo e esmurrando as pessoas por causa da revolta que isso me causa ( violência nunca leva à nada, não é mesmo?) resolvi fazer um top 10 motivos pelos quais você deve começar a gostar de Steve Carell. Vamos lá.

10- Steve começou sua carreira na década de 90, mas foi só com o filme Todo Poderoso que ele alcançou a fama. Apesar de adorar, idolatrar e amar o Jim Carrey, tenho que admitir que é do Carell a cena mais engraçada do filme todo. E se um cara consegue bater o Jim Carrey, você deve respeitá-lo sim.

9- Steve Carell tem uma coisa que a maioria dos atores de Hollywood não tem- carisma. Pra mim, ele é como o Tom Hanks- você olha e imediatamente tem vontade de dar uma abraço, sentar e bater um papo sobre a vida. 

8- Pare pra pensar e analise quantos comediantes em ascensão existem em Hollywood? Pois é, quase zero. Carell é uma das grandes promessas na comédia e espero que continue assim, porque eu sinceramente não quero depender de nenhum ator da geração Crepúsculo pra me fazer rir.

7- Muita gente não gosta do Carell porque confunde ele com Michael Scott,seu personagem no seriado The Office. O pessoal costuma ter super vergonha alheia e até um ódio velado contra Michael e suas nonsenses, mas eu não. Eu adoro Michael Scott. Claro que ele é sem graça e sem noção, mas se você acompanha a série sabe que ele tem um super bom coração e só o Carrel consegue fazer essa combinação funcionar.

6- O virgem de 40 anos- por favor, só assista e tire suas próprias conclusões

5- Versatilidade. Quem viu Carell em Pequena Miss Sunshine sabe que ele faz drama tão bem quanto comédia. Isso serve também pra quem acha que ele so sabe interpretar a si mesmo. 

4- Steve é conhecido em Hollywood como um dos caras mais gentis e fácil de se trabalhar. Isso com certeza reflete na carreira dele e na qualidade dos seus filmes.

3- Tudo bem, tudo bem, acho que ele nunca ganhará um Oscar (a não ser que faça um papel dramático bem profundo) e sofrerá dessa maldição como o Jim Carrey. Mas ele já foi vencedor de outros prêmios como Globo de Ouro, Emmy Awards etc. Esta aí mais um motivo pra você prestar mais atenção nele (e com carinho).

2- Amor à toda prova é, possivelmente, o melhor filme de comédia romântica com um toque de drama que vi nos últimos tempos. O roteiro é excelente, mas o filme só é o que é porque é Carell que encara o papel principal e o faz extremamente bem.

1- Em um mundo onde Glee, Crepúsculo e Justin Bieber fazem sucesso fica difícil competir com alguma coisa de qualidade. Steve Carell, porém, não se deixa abater e vai deixando sua marca na tv americana e no cinema de Hollywoood. Faz um pouco aqui, um pouco ali e eu aprovo tudo que ele deixa com a sua marca. Enfim, se você ainda não gosta dele, sinto muito mas você deve estar maluco. 

 

Em tempo: That’s what she said!

“Crônicas de Ny” Parte 1- Central Park

16 fev

Quem chega em solo nova iorquino, imediatamente não consegue olhar para baixo- são tantos arranha-céus, tantas janelas espelhadas, tanto brilho, tanta vida lá no alto…é uma baita selva de pedra brilhante. Então, você anda por Manhattan como se fosse uma formiguinha maravilhada por estar quase sendo esmagada por tantos gigantes. Aí você anda, anda, anda…até quase ganhar um torcicolo. Mas de repente alguma coisa ganha os seus olhos. E, como numa epifania moderna, você fica paralisado com aquele alumbramento- não é nada que se compare aos brilhos espelhados dos grandes prédios de Manhattan. É algo muito melhor.
Bem ali na sua frente, no meio de toda a arquitetura de pedra que você tanto admira, há um mar de árvores. E você está diante do Central Park.
Assim que você dá o primeiro passo em direção àquele lugar tão singular no mundo, é imediatamente inundado por uma sensação de familiaridade. Será por causa de todos os filmes que se passaram ali? Ou será que foram todas as fotos que vi nos guias antes de viajar?
A verdade, meu caro, é que apesar de você ser só mais um turista em NY, você se sente prontamente em casa quando caminha pelas “ruazinhas” do Central Park.É como se você tivesse nascido para aquele lugar e aquele lugar tivesse nascido para você. Você sabe que isso é sincero quando, no meio do frenesi de NY, consegue encontrar paz no Strawberry Fields. Ou ainda, quando percebe que foi fisgado pelo charme da Boat House e das subidas e descidas do Shakespeare garden. Em que outro lugar do mundo você encontraria um castelinho medieval no meio de uma cidade grande? E aí você deseja com todo o amor que tem no coração que pudesse morar ali nos arredores do parque para sempre…
E depois de horas e horas andando e andando (sempre com merecidas pausas para apreciar os shows de rua), chega a hora de deixar o Central Park para se aventurar na selva de pedra mais uma vez. Mas agora, o seu olhar mudou… você não olha mais para cima, mas olha para frente, planejando o dia em que mergulhará de novo na serenidade e beleza do Central Park.

5 coisas que você deve saber sobre NY- parte 2

6 fev

É domingo e eu acordei muito cedo.Não deve ser normal acordar às 9 horas da manhã de um domingo, isso só pode ser coisa de gente doente, o que acredito que sou. Porém, devo admitir que  só acordei porque tive um sonho, e sonhava que estava em NY de novo.  Então, num momento “seráqueessadepressãopósviagemnuncavaipassar?” resolvi atualizar a segunda parte dessa minissérie sobre NY.

Eu gostaria de comentar sobre o fato muito impressionante de que quando neva faz muito menos frio do que quando não neva. Mas acredito que deve haver alguma explicação científica pra isso e que tal curiosidade não é restrita à cidade de NY. Logo, essa não é uma coisa que você deve saber sobre NY, muito embora agora você já esteja sabendo.

De todas as coisas que me intrigaram em NY a que mais me deixou com a pulga atrás da orelha é o grande enigma dos faróis.  Imagine a seguinte situação: temos um cruzamento da 5th Av. com a 46th Street.  Vc quer atravessa a 5th Avenue (que é mão dupla) e o farol abre pros pedestres. O que vc pensa logo em seguida? Boa! posso atravessa tranquilamente sem correr o risco de morrer atropelada – mas com muito glamour, diga-se de passagem. Então, vc simplesmente atravessa, certo? Errado! Meu caro colega, vc não vai querer atravessar a rua logo de cara. Vc vai esperar alguns segundos porque, muito embora o farol dos pedestres está ABERTO pra vc, os carros da 46th street continuam a virar na 5th avenue normalmente!

Isso mesmo! É exatamente isso que vc entendeu. Pedestre não tem muita vez em NY. Não que os motoristas virem nas ruas feito loucos desembestados, mas foi meio estranho de se acostumar com o farol aberto pra vc e os carros se jogando. Confesso que xinguei muito no começo, porque aquela situação estava me dando a impressão de que eu estava no Guarujá, e não em New York.  Foi só depois de muito amaldiçoar os motoristas (0s de taxi, principalmente) que percebi que aquilo era um comportamento  normal na cidade e que eu, turista de carteirinha, deveria me acostumar.

Outra curiosidade do trânsito é que ele é sim meio caótico. Mas nem se compara com o de São Paulo, que é extremamente irritante. Talvez se eu fosse moradora de NY, acharia o trânsito de lá extremamente irritante. Mas como sou paulista de carteirinha, prefiro achar que tudo lá é melhor que aqui. =D

5 coisas que você deve saber sobre New York -Parte 1

22 jan

Um pouco antes de viajar pra NY, tinha decidido que escreveria um post pra cada dia em que eu estivesse lá. Eu tive acesso fácil à internet no hotel que fiquei hospedada e estava sempre online de madrugada, postando fotos no facebook e matando a saudade de quem estivesse on no Brasil. No entanto, eu completamente me esqueci do blog. E não atualizei nenhuma vez.

A boa notícia é que apesar de já ter passado uma semana desde a minha volta ao Brasil (uou! é muito muito tempo mesmo, believe me), é claro que tudo ainda está fresquinho na minha memória. Durante essa uma semana brasileiresca, relembrei cada passeio que fiz e cada lugar conheci e, não importa que tipo de conversa estou tendo (pode ser sobre como a transexual do BBB foi eliminada logo de cara ou sobre como os cientistas estão quase descobrindo a cura da AIDS) eu sempre acabo achando um jeito de citar New York no meio de tudo. As pessoas provavelmente já devem estar cansadas de ouvir coisas como “Lá em Ny…” ou “Quando estava em Ny…” ou ” Que saudade de NY…”, mas não há nada que eu possa a fazer a respeito disso.

É curioso também o fato de que muitas das coisas que eu conto sobre NY são as bizarrices ou curiosidades que encontrei lá. Este post é uma maneira de compartilhar 5 coisas que vieram à minha mente neste exato momento e que fazem de NY uma cidade ainda mais peculiar. Vou dividi-lo em 5 partes, porque ultimamente tem sido um martirio escrever qualquer coisa mais longa que um parágrafo. Então essa será a 1ª coisa que vc deve ser sobre NY.

Vamos lá então

O silêncio.

Assim que coloquei os pés no JFK senti uma vontade imensa de fingir que era o Frank Sinatra e começar a cantar “I wanna wake up in the city that doesn’t sleep”; como eu não tinha uma cartola e uma begala e não estava usando meus sapatos de sapateado me contentei em observar, boquiaberta, tudo ao meu redor. Como eu tinha saído do aeroporto de Guarulhos, foi um grande choque de realidade entrar no JFK e ver aquela calmaria que impregnava todos os lugares. Talvez fosse pelo fato de que eram 5 horas da manhã, mas a verdade é que logo que desembarcamos pegamos uma fila imensa de estrangeiros para entrar no país. E tudo estava calmo. No Mcdonalds do aeroporto nãos e ouvia um só tom de voz fora do normal. Foi uma delícia. Mas pensei que assim que eu colocasse os pés propriamente  em Manhattam , toda aquela loucura, aquele zum zum zum, aquela muvuca iria começar.

Foi só quando cheguei na Madison Avenue, já perto do hotel em que estava hospedada, que meu amigo Pablo muito sabiamente pontuou: “Que silêncio”.

Pois é, caros colegas, a cidade que nunca dorme é uma grande cidade silenciosa. A impressão do aeroporto se estendeu pelas ruas e pedestres e tudo era muito calmo, muito embora você percebesse o ritmo frenético de pessoas e carros passando, indo em direção a seus trabalhos ou qualquer coisa que o valha.  A Madison Av. é um lugar de trânsito de carros intenso, fica paralela à Park Av. e à 5th Av. que também estão sempre lotadas de carro, mas você não escuta nada. Simplesmente nada. Era comum escutarmos sirenes de ambulâncias, mas acho que esse é o tipo de barulho que não se pode evitar. O resto, porém, era um silêncio gostoso. Sem buzinas, gritos, vozes falando alto ou qualquer tipo de barulho que estamos acostumados aqui em SP .

Então, lição número aprendida em NY city- você pode ser a cidade do agito, sem que seja barulhenta. Amei =D

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.